Comunidade Santo Agostinho

Referência na cidade de Goiânia, a história do Colégio Santo Agostinho e da Cidade quase se confundem, pois é na recém-criada capital que aportam as Irmãs Esperança Garrido, Mercedes Iriarte e Maria Valvanera, no ano 1937. Sonhos, expectativas, compromissos com o ato de educar, marcam a vida dos educadores e educandos desta comunidade. Aos 70 anos de Goiânia, o Santo Agostinho conta 66, expandindo o saber sistematizado calcado nos valores e humanos e cristãos e no tripé Interioridade-Transcendência, Fraternidade-Amizade e Humanidade-Caridade.

Superando dificuldades presentes em todos os tempos, assimilando os avanços tecnológicos, o Santo Agostinho formou lideranças profissionais de Goiânia e do estado de Goiás.  A melhor prova de que as marcas positivas ficaram, é o número de filhos de ex-alunos de várias gerações matriculados hoje.

Comunidade Nossa Senhora Mãe de Deus

Desde 1921, o Colégio Nossa Senhora Mãe de Deus faz parte da história de Catalão, como um baluarte de cultura.

Cinco ousadas irmãs: Natividade, Gorrochátegui, Mercedes Iriarte, Esperança Garrido, Paz Hernandez e Inez Lopez, logo ao chegar, iniciaram as atividades educacionais recebendo alunas de Catalão e cidades vizinhas, em regime de internato. Para tanto, contaram com a colaboração de Dirceu Víctor Rodrigues e Vitoria Víctor Rodrigues como primeiros professores.

Há dez anos o Colégio funciona em regime de convênio com o Estado. Abriga alunos da Educação Infantil ao Ensino Médio, oferecendo-lhes formação humano-cristã, social e política, através de atividades diversas, desde as aulas aos encontros religiosos, teatro, festivais, jogos intercoloniais, excursões, etc.

Comunidade Santa Mônica

Desde 1959 estamos presentes em Soure, atuando no Colégio e nas diversas pastorais.

O que começou pequenino, com 30 crianças, hoje atende a 1.500 alunos nas séries do ensino fundamental e médio.

Além do acompanhamento diário às crianças, nos finais de semana o grupo de adolescentes e jovens. Ainda há espaço para convivência e orientação do grupo interessado em conhecer melhor a espiritualidade agostiniana, formando a fraternidade leiga. Nossa casa está sempre aberta para acolher toda a vizinhança, como também pessoas que necessitem da nossa ajuda

Também fazemos visitas, orações e acompanhamento de alguns casos especiais, manifestando a nossa presença e solidariedade.

Comunidade Nossa Senhora da Luz

Por solicitação de Dom Alquílio Alvarez, então bispo da prelazia de Marajó, constitui-se em Portel a comunidade Nossa Senhora da Luz, em fevereiro de 1978.

O objetivo da nossa presença ali, desde o início, é colaborar na pastoral da Paróquia Nossa Senhora da Luz com os Padres Agostinianos Recoletos. As Irmãs realizam um intenso trabalho de evangelização junto à paróquia, onde assumem a pastoral da catequese e da criança; a pastoral juvenil, a formação de líderes e promoção da mulher.

Esta ação evangelizadora é ampliada pela atuação das Irmãs na educação formal em escolas públicas onde atingem também os educadores e um número maior de criança, adolescentes, jovens e famílias.

Comunidade Madre Querubina

Ampliando nossa presença na Ilha de Marajó, em 1966 as Irmãs se estabelecem em Breves onde assumem a direção do Colégio Santo Agostinho, que na época recebia crianças até a 4ª série. A carência de professores levou as Irmãs a lecionarem também na escola estadual.

O Colégio sempre representou para a população local um marco de formação intelectual, religiosa e cidadã. Respondendo a expectativas da população, hoje recebe alunos até o ensino médio.

Além da educação formal, as Irmãs colaboram em diversas pastorais da paróquia, especialmente na pastoral juvenil e catequética.

Comunidade Missão Santa Rita de Cássia

Pelo fato das Irmãs que trabalham na Ilha de Marajó necessitar locomover-se muitas vezes até Belém, seja pelo trato com a Secretaria de Educação ou buscando assistência médica, e também por ser esta cidade o ponto de conexão das viagens entre ilha e continente ou cidades da mesma ilha, faz-se necessária ali a presença de uma comunidade de apoio.

Assim é criada a comunidade Santa Rita de Cássia em 28 de agosto de 1969.

As Irmãs que ali vivem, além da acolhida às irmãs que passam, colaboram na paróquia, segundo as possibilidades pessoais.

Na pastoral vocacional, participam dos encontros e acompanham as jovens no seu despertar e no processo de discernimento. Na pastoral carcerária, na visita as famílias e os doentes, a quem levam a eucaristia, anunciam a boa nova e são presença solidária.

Atualmente a Comunidade Santa Rita é a sede administrativa dos projetos sociais que acontecem nas cidades de Soure, Breves e Portel. Esses projetos promovem crianças, adolescentes e jovens através da musica, dança, esporte reforço escolar.

Comunidade Centro de convivência Bom conselho

A Comunidade de Jundiaí foi fundada em 1970, compondo a primeira comunidade as Irmãs Isabel Ayala, Maria Cruz Ruiz e Aurélia Fernandez.

Localizada no alto de um morro, cercada de jardins e bosques, com excelente clima, é um convite ao silêncio e à contemplação.

Seu objetivo inicial foi o de ser casa Noviciado, mas logo no ano seguinte passou a receber grupos para encontros. Para a Província Cristo Rei sempre foi o centro de encontros, de realização de assembléias, capítulos provinciais e formação permanente.

Responsável: Ir. Marilene Brandão
Email: cconvivencia@uol.com.br
Fone: (0xx11) 4584 1403

Comunidade Centro Infanto de Acolhida Santo Agostinho – CIJASA

Depois de vários anos de inserção em São Miguel Paulista – Jardim Helena, as Irmãs Agostinianas Missionárias veem um sonho tornar-se realidade: o Centro Infanto Juvenil de Acolhida Santo Agostinho ou como muito carinhosamente ressoa da boca dos que ali estão: CIJASA.

Atualmente atendendo aproximadamente 400 educandos entre crianças e adolescentes de 07 a 14 anos, o CIJASA tem por missão ajudar na formação humana cristã orientando-os à vivência de valores, bem como, a se descobrir como pessoa consciente de sua dignidade, crítica, responsável e comprometida na construção de uma sociedade mais justa e humana.

O CIJASA comprometido e compreendendo cada educando como ser único e individual, também tem como papel prepará-los para fazer parte de uma sociedade em constante transformação, cada vez mais exigente, competitiva e caracterizada pela valorização do conhecimento.

Atento a essas exigências, o Centro oferece um leque das mais diversas atividades educativas visando proporcionar aos seus educandos:

    Leitura crítica da própria realidade e do mundo;
    Integral relação intra e interpessoal;
    Respeito aos limites, regras e normas estabelecidos;
    Autonomia;
    Concentração, entre outros.

Dentre as atividades oferecidas destacam-se: leitura e escrita, informática, ensino religioso, teatro, dança, percussão, capoeira, futebol, brincadeiras de roda e trabalhos manuais.

Esse sonho inicial e hoje realidade concreta conta com a presença e ação das Irmãs Agostinianas Missionárias, formandas, educadores e demais colaboradores, todos juntos e diretamente ligados para atingir uma única meta: educar e promover a vida.

Comunidade Formação Nossa Senhora Aparecida

Essa comunidade se inicia atendendo apelos pastoris, no ano 1982, com as Irmãs: Maria José Silva Araújo, Clélia de Oliveira Fernandes e Maria José de Freitas. Neste distrito de São Paulo, cheio de desafios, está hoje instala a casa de formação aspirando e postulando, sob a orientação das Irmãs Paula e Edinalva.

É de uma riqueza muito grande a proximidade entre a casa de formação e o Centro Infanto-Juvenil de Acolhida Santo Agostinho. As Irmãs e formandas podem colaborar diretamente nas atividades com as crianças e adolescentes, o que vêm fazendo com muita vibração para ganho de todos.

 

Comunidade Cristo Rei

Situada na ainda calma Rua Bagé, Vila Mariana, a Sede Provincial cumpre a sua missão de Acolhida, especialmente as irmãs desta Província Cristo Rei, aqueles que se identificam com a nossa espiritualidade e colaboram com a missão de educar e promover e aos que chegam à nossa casa, bem seja para passar algum momento ou dias conosco ou trazidos por alguma necessidade pessoal. Realiza também o trabalho de orientação, apoio e presta o serviço de assessoria à Província. Nas suas dependências abriga a todos aqueles que querem passar um tempo de calma, e de oração. É uma comunidade símbolo de vida longa, que comprova a possibilidade de ser fiel a uma opção de vida, representada por nossas Irmãs nonagenárias, octogenárias. Símbolo da coragem de assumir a condução, no momento atual de uma entidade que justifique a sua existência por ser, estar e agir de acordo com o Evangelho. Símbolo de um estilo de vida, através das Irmãs jovens, que evidenciam a sua validade hoje. A comunidade da Sede Providencial não tem um tamanho definitivo. As necessidades de cada irmã da Província,as necessidades da missão são as que determinam o seu tamanho e sua fisionomia.