O que é Vigorexia, como acontece e qual melhor tratamento

Você sabia que não existe alimento ruim?
junho 26, 2017
Dietas antes mocinhas hoje sabemos que são vilãs
setembro 6, 2017
Exibir tudo

A busca desenfreada pelo corpo perfeito têm desencadeado diversos transtornos psíquicos entre eles se enquadra a vigorexia, também conhecida como distúrbio dismórfico corporal, que é caracterizado por uma obsessiva atenção com a aparência corporal, práticas de atividades físicas exageradas, supervalorização dos pequenos defeitos físicos, mesmo esses sendo imaginários e adoção de práticas alimentares disfuncionais.

Esse distúrbio de auto-imagem afeta em sua maioria homens, praticantes de musculação entre 18 e 35 anos, podendo também acometer mulheres e adolescentes, de todas as classes sociais com maior prevalência na classe média.

A sociedade em que vivemos onde o belo é visto como sinônimo de sucesso, realização e felicidade prega o culto à beleza estimulada por uma mídia tendenciosa onde as imagens divulgadas são irreais, inatingíveis e aqueles que não se enquadram nos parâmetros pré-definidos do que é ser belo sofrem as conseqüências dessa verdadeira tirania da beleza sendo excluídos e chegam mesmo a sofrer preconceitos. Indivíduos com predisposição a baixa aceitação corporal e baixa auto-estima tendem a buscar na aparência a porta de entrada para a aceitação social, sendo esses os mais propensos a desenvolverem transtornos psíquicos.

As mulheres para serem aceitas na sociedade sofrem a pressão de serem magras enquanto os homens precisam atingir um corpo com músculos definidos sendo que para isso muitos utilizam de suplementos e medicamentos como uso de esteróides, mesmo que seus corpos estejam extremamente musculosos e definidos as pessoas com vigorexia descrevem seus corpos como fracos e pequenos definindo uma distorção da imagem corporal. A preocupação com o ganho de massa muscular leva a praticas exageradas de atividades físicas, com o aumento progressivo de levantamento de peso mesmo quando doentes ou lesionados; o consumo de dietas hiperprotéicas, com baixo índice de gorduras e rigoroso controle da ingestão de carboidratos são práticas utilizadas para melhorar o ganho de massa muscular ocasionam ao longo do tempo a carência de micronutrientes como vitaminas e minerais e podem gerar graves problemas de saúde.

Os relacionamentos sociais, familiares e pessoais desses pacientes ficam severamente comprometidos, por sentirem vergonha dos seus corpos não freqüentam ambientes como praias e clubes, evitam a exposição utilizando várias camadas de roupas e a distorção da imagem gera um grande sofrimento emocional levando os mesmos a depressão, quadros de fobia social e ansiedade generalizada. Por ser uma doença psiquiátrica, o tratamento é complexo e requer profissionais treinados, especializados devendo ser feito por uma equipe multidisciplinar com a presença de psiquiatra, nutricionista, educador físico, psicólogo, endocrinologista e dependendo das co-morbidades apresentadas outros profissionais da área da saúde.

É importante dizer que somos influenciados e influenciamos o meio em que vivemos, se começarmos a não aceitar que pessoas sejam discriminadas inclusive por sua aparência física passaremos a mudar a sociedade em que vivemos, não podemos mais fechar os olhos para essas questões.

Fica aqui uma reflexão, quantas pessoas precisarão morrer para que a vida humana seja realmente valorizada? Sabemos que somos todos diferentes então porque queremos ter o mesmo corpo, o mesmo cabelo, os dentes iguais aos modelos de capa de revista ou ao famoso do momento e ainda evitamos nos relacionar com quem foge desse parâmetro?

Boa semana e deixem comentários,

Dra. Camilla Meizler – Nutricionista comportamental e Life coach

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *