Bulimia e suas consequências

Anorexia e comportamento alimentar
junho 8, 2017
Você sabia que não existe alimento ruim?
junho 26, 2017
Exibir tudo

Você sabia que 1% á 2% das mulheres na faixa etária entre 15 aos 40 anos possuem Bulimia? e que muitas passam a vida tentando se curar dessa doença e não conseguem?

 A BN é um transtorno alimentar que segue um ciclo (dieta – episódio de compulsão alimentar – purgação – dieta- episódio de compulsão alimentar – purgação) e devido à sua complexidade a terapia nutricional deve ser especializada e baseada em pilares como modificações de comportamentos nutricionais disfuncionais, reeducação e planejamento nutricional, alterações de crenças limitantes entre outros.

A maioria dos pacientes associa o inicio do transtorno com a realização de dietas restritivas que culminaram com episódios de compulsões e para aliviar a tensão ocasionada usaram de práticas de compensação como vômitos, laxantes e/ou atividades físicas, porém ao passar do tempo e por não serem devidamente tratados esses pacientes passam a desenvolver alterações bioquímicas, alterações nos dentes e gengivas, alterações estruturais nas camadas celulares que revestem o esôfago, distúrbios de autoimagem, prejuízo social e problemas emocionais decorrentes da culpa que sentem por não conseguirem “controlar” seus impulsos.

Como qualquer transtorno alimentar o tratamento deve ser baseado em reestabelecer o bom relacionamento com os alimentos colocando-os em uma perspectiva saudável, as crenças nutricionais serão trabalhadas para que o paciente consiga quebrar os padrões “rígidos” de controle diminuindo as privações e consequentemente os episódios purgativos e trabalharemos os “fatores” que desencadeiam os episódios compulsivos; muitas vezes nos alimentamos sem ao menos perceber que iniciamos e terminamos as refeições, não conseguimos perceber o quanto comemos e nem sequer estamos realmente “presente” pois nosso foco está em outro lugar; essa prática comum é um fator que leva ao exagero alimentar e deve ser tratado, outra questão trabalhada é o maleficio que as dietas restritivas ocasionam e como podemos fazer para não entrar mais no ciclo da bulimia.

Sabemos que é difícil trabalhar questões como essas, mas é na certeza que todo paciente pode ter um grande ganho com a terapia que lutamos para que nosso trabalho seja divulgado e chegue á todos que precisam. Não façam dietas da moda, não sigam blogueiras que aconselham dietas e excessos de atividades físicas, não sabemos onde essa prática pode levar e lembrem-se ter saúde é uma dádiva, não estrague sua vida por alguns quilos a menos.

 

Dra. Camilla Meizler – Nutricionista e Coach

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *